14/02/2008

As vezes sinto que o ar pesa, que o chão me falha, que a alma me abandona.
Então me deito e sonho. E o sonho me inebria. E dentro dele vejo aquilo que a sobriedade do dia não me permite enxergar e então finalmente vivo.

Um comentário:

Anônimo disse...

Idem!